Arquivos

23 de novembro, 2010

Eid Al Ghadir – O Anúncio da Liderança Completa a Profecia


Na cidade de Ghadir Al-Khom, durante o desdobramento da Peregrinação à Meca, o profeta Mohammad (SS) recebe a seguinte revelação do Anjo Gabriel: “Oh Mensageiro , proclama o que te foi revelado por teu Senhor, porque se não o fizerdes, não terás comunicado tua mensagem. Deus te manterá salvo das pessoas.” Encomendou, dessa maneira, que o profeta apresentasse seu primo e genro Ali (AS), sob o tema da liderança (Al Wilaya).

O profeta então ordena que as pessoas se aproximem para realizar a oração do meio-dia em conjunto. Logo concluída a oração, o profeta se posiciona em um local mais alto, fazendo-se visível a todos, e inicia seu pronunciamento:

“Os louvores são a Deus e a Ele pedimos ajuda. Nele cremos e a Ele suplicamos, e nos refugiamos em Deus contra nosso próprio mal e contra a maldade de nossos atos … E sou testemunho que não há divindade além de Deus e que Mohammad é Seu servo e mensageiro. Ó pessoas, por certo que imediatamente responderei ao convite de Deus e vós e eu somos responsáveis cada um pelo que nos foi prescrito. Então, o que dizeis acerca disso?”.

Responderam: “Testemunhamos que anunciaste bem tua Mensagem”.
O Mensageiro de Deus disse: “Oh Senhor meu, sejas Testemunha! … Oh presentes, acaso me escutam?”.

Responderam: “Sim!”.

Disse: “Saibam que entrarei a Fonte e vós também voltareis a Fonte junto a mim. Então, observem os dois tesouros que lhes deixarei depois de mim, assim como observai meu direito em relação a ambos”.

Um dos presentes questionou: “E quais são os dois tesouros, ó Mensageiro de Deus?”

Respondeu: “O tesouro Maior é o Livro de Deus, cujo uma extremidade se encontra nas mãos de Deus e a outra em vossas mãos. Então firmai-vos junto ao Livro para que não vos desvieis. O outro tesouro é a minha família (Ahlul Bait). E o Benevolente tem me informado que esses dois jamais se separaram até que regressem a mim junto a Fonte. Então tenho suplicado ao Meu Senhor que vós não sobreponhais a eles, pois seríeis aniquilados, nem sejais negligentes a seu respeito, pois seríeis exterminados”.

Neste momento, segurou a mão de Ali (AS), levantou-a de tal maneira que todos a enxergassem, e perante todos que ali observavam, disse:

“…de quem eu sou senhor, Ali é seu senhor; ó Deus, seja companheiro de seus companheiros e inimigo de seus inimigos”.

E completou: “Todos que estiveram aqui presentes devem fazer chegar esta mensagem aos que não estiveram”.

Logo após o anúncio, o profeta recebeu do Anjo Gabriel o seguinte versículo (o ùltimo revelado do Al Corão): “Hoje vos aperfeiçoamos vossa religião, vos completamos Minhas Graças para convosco e prescrevo a vós o Islã como religião”.

As pessoas se aproximaram do Príncipe dos Crentes, Ali (AS), para felicitarem-no. Dentre as pessoas estavam Abu Baker e Omar, os quais disseram: “Parabéns a ti ó filho de Abu Talib! Te converteras em meu senhor e no senhor de todos os crentes e todas as crentes!”
Dessa maneira, oficializa a responsabilidade de todos os assuntos pertinentes à Nação Islâmica a Ali Ibn Abi Talib (AS).

Imam Ali (AS) fora criado pelo profeta desde sua infância e preparado para tal missão e era o único que possuía as virtudes e características para tal guia. Seu pensamento é o reflexo do pensamento do profeta, e a sua razão, seu conhecimento e seu espírito também os são.

Para conhecer o Imam Ali, precisamos nos empenhar para visualizar os aspectos de sua personalidade. Aproximar-se de seus ensinamentos significa se afastar da angústia da ignorância, preencher a abstinência espiritual e ir ao encontro da verdade e da bondade. Estudando o Imam, compreendemos a universalidade de suas idéias que não se restringem a um grupo específico, nem a um período ou local delimitado. Imam Ali é a força da justiça e o guia em busca dela.

Estão alguns dizeres do Profeta Mohammad (SS):

“Ali está com a verdade e a verdade está com Ali, ela caminha com Ali onde ele caminhar”.

“Eu sou a cidade do conhecimento e Ali é o seu portal. Sendo assim, quem buscar essa cidade deverá entrar pelo seu portal”.

“Certamente que vos deixo duas coisas preciosas: o Livro de Deus e a minha descendência, os Ahlul Bait. Vocês jamais se desviarão, após minha partida, se permanecerem apegados a ambos”.

escrito por Adnan El Sayed

Curta e Compartilhe


18 de novembro, 2010

Eid Al-Ghadir


Convite

A Sociedade Beneficente Islâmica de Foz do Iguaçu convida a todos para o Eid Al-Ghadir, no próximo dia 24 (quarta-feira) às 20h30min no salão superior da Husseiniie. O evento marca o anúncio do Profeta Mohammad (SS) que designa Ali ibn Abi Taleb (AS) como seu sucessor e líder da Nação Islâmica.

Curta e Compartilhe


12 de novembro, 2010

Kaaba – O Templo da Unicidade e da União


Construída pelo Profeta Abraão e seu primogênito Ismael, a Kaaba é o templo símbolo da Unicidade Divina e da União entre os humanos.

No meio do Oriente Médio e no centro do mundo, um templo sagrado reúne mais de um milhão de fiéis todo ano. Uma multidão de vozes se sobrepondo para compor uma única voz, forte e suave, ritmada e envolvente, capaz de ser ouvida pela mais longínqua terra, pelas estrelas e pela lua, repetindo encantadoramente: LABAIKA ALLAHUMA LABAIK … !
A multidão se assemelha na diversidade, utilizando a mesma vestimenta simples de panos brancos e límpidos, adorando Um Único Deus, o Criador do Universo! Negros, latino-americanos, persas, árabes, turcos, indonésios, chineses, estado-unidenses, europeus e pessoas de diversas outras origens, unidos em torno de um templo, a Kaaba. Neste momento todos se identificam como humanos, como crentes em um só Deus e fazem das diferenças razões para proximidade, entendimento e aceitação do próximo.

Historiadores confirmam a probabilidade de a Kaaba ter sido o primeiro templo da história da humanidade, construída por Adão para adorar a Deus. A tradição Corânica e tradição Bíblica nos ensinam que o Profeta Abraão (SS) a construiu juntamente com seu filho primogênito, Ismael, como símbolo do monoteísmo e adoração a Deus Único, que perduraria para sempre. Tempo se passou e o templo mais antigo e sagrado fora dominado à força por politeístas, os quais expulsaram o domínio dos monoteístas, os seguidores de Abraão. Por volta do ano de 640 d.C., Deus revela ao último dos profetas, Mohammad (SS), o dever de reconquistar a Kaaba. O Profeta de Deus reconquista pacificamente o Templo Símbolo da Unicidade Divina e expulsa todos os “deuses”, as pedras idolatradas pelos politeístas. Assim, Deus Altíssimo ordena a Mohammad e aos crentes que façam a peregrinação a Meca uma vez na vida se possível, durante a qual se seguiria como ritual os passos do Profeta Abraão e seu filho Ismael, durante a construção do Templo.

Assim se constitui a igualdade na diversidade, a humildade na grandeza, a servidão ao Absoluto … é a completude da alma, a sensibilidade do espírito aflorando, o sentimento de irmandade no nível mais elevado … é a experiência única em torno do Templo Sagrado, a satisfação do cumprimento da obrigação em torno da Unicidade … é a elevação da consciência na servidão ao Deus Único de Noé, de Moisés e de Jesus … é a entrega total ao Deus Único de Mohammad, na corrente de fé prescrita por Deus Altíssimo e cumprida pelos fiéis numa procissão incessante e profunda. É a peregrinação a Kaaba, na retomada do monoteísmo puro de Abraão, no sentimento de agradecimento, louvor e obediência ao Criador por Sua Infinita Misericórdia.

“A Peregrinação a esta Casa é uma obrigação a todos os seres humanos, devendo realizá-la pela Causa de Deus quem estiver em condições de fazê-la. E quem se negar, se prejudica a si mesmo. E Deus é Autosuficiente.” (3:97 Alcorão Sagrado)

“E apareceu o SENHOR a Abrão e disse: À tua semente darei esta terra. E edificou ali um altar ao SENHOR, que lhe aparecera.” (Bíblia, Gênises 12,7)

escrito por Adnan El Sayed

_______________________________________________
Meca – cidade na Arábia, onde se localiza a Kaaba
Haj – palavra árabe que significa Peregrinação
Eid al Adha – expressão árabe que indica o último dia da peregrinação, data comemorativa aos muçulmanos
SS – abreviação de “Sallat wa Salam Aaleihe wa Alih”, que significa Que a Paz e Benção estejam sobre ele e sua Purificada Família

Curta e Compartilhe


11 de novembro, 2010

O Islã


O Islã é a religião baseada na última mensagem que Deus revelou à humanidade, registrada no Sagrado Alcorão, transmitida através do anjo Gabriel ao profeta Mohammad (SS). O Islã, portanto, é o resumo atualizado de todas as mensagens celestiais anteriores, sendo o Sagrado Alcorão, o registro no qual Deus Altíssimo confirma, em ato de Misericórdia aos humanos, a verdade e cuja proteção e divulgação encarregou o profeta Mohammad (SS). O objetivo desta mensagem é ligar Deus ao ser humano e este a Deus, e baseado nisso, abrange todos os campos da vida humana.
Através do Islã, Deus ensina ao ser humano tudo o que necessita, no aspecto espiritual e, também, no aspecto jurídico, ou seja, tanto no que tange a relação do homem com O Criador (fé, crença, espiritualidade, etc), quanto no que tange às regras e recomendações na relação do homem com o homem, do indivíduo com o mundo e o indivíduo consigo mesmo. É desta maneira que o Islã preenche todos os campos da vida, materiais e espirituais.

A dimensão espiritual do Islã consiste da crença em cinco grandes pilares: A Unicidade de Deus: a crença no Deus Único é a base de todas as verdadeiras religiões e constitui o primeiro testemunho de fé no Islã.
A Justiça Divina: a conseqüência direta da crença no Deus Único é a Sua Justiça para com seu servo e sua criação, nos agraciando com a vida, abundante em fontes naturais, espirituais e de conhecimento.
A Profecia: a crença no Único Deus e em Sua Justiça, nos faz compreender e crer que Deus não deixaria a humanidade sem uma orientação. Assim nos enviou profetas ao longo da história, para que nos orientassem através das Escrituras Sagradas. E a crença em todos os profetas enviados por Deus, desde o primeiro até o selo deles, o Profeta Mohammad (SS), constitui o segundo testemunho de fé no Islã.
O Imamato: revelada a última mensagem de Deus à humanidade, o Sagrado Alcorão, Deus nos deixa a Boa Guia, os escolhidos por Ele para guiar e liderar a Nação Islâmica. São chamados de Imames, os quais possuem virtudes diferenciadas e são descendentes do Profeta Mohammad (SS).
O Dia do Juízo Final: a Justiça Divina abarca todos os mundos. A vida pós-terrena, a ressurreição e o julgamento das almas são partes dessa Justiça e da Promessa Sincera do Criador para com sua criatura. É também uma maneira de nos garantir a eternidade no paraíso se assim nossos atos condizerem a tal julgamento. Dessa maneira, ficamos atentos a todos nossos atos e práticas na vida terrena, sendo vigilantes na prática do bem e na proibição do mal.

————-
SS – abreviação de “Sallat wa Salam Aaleihe wa Alih”, que significa Que a Paz e Benção estejam sobre ele e sua Purificada Família.

Curta e Compartilhe


Horário das orações:


Foz do Iguaçu

Busca

Arquivos

Tag

Geral - notícias