02 de dezembro, 2010

Ashura (parte 1) – Quando o Sangue dos Justos Vence a Espada da Opressão


Ashura … momento de lamentação pelo martírio do Imam Hussein (AS), momento de reafirmar nossa aliança e compromisso com os princípios da justiça.
Aproximadamente 50 anos após a morte do profeta, um tirano de nome Yazid acumulava riqueza e status entre os muçulmanos e o mundo. Embora muito se sabia sobre seu caráter devasso, ele se denominou líder do Islã, começando assim a interferir junto aos fundamentos da fé e praticar os diversos vícios perversos, enquanto exigia obediência de todos sob suas ordens. Pessoas temiam a morte e a destruição sob as mãos do tirano, dessa maneira renderam seus direitos e autoridade perante a ele.

Imam Al Hussein (AS), neto do profeta e o terceiro sucessor do Islam, recusou-se a prestar obediência às exigências de Yazid, e disse “… seja o que estiver por vir, jamais temerei o Satã no lugar de temer a Deus”. Diante da recusa, Yazid planejou o assassinato do Imam, num local próximo ao sagrado santuário da Kaaba, em Meca. Percebendo a emboscada do tirano, e para evitar derramamento de sangue na cidade sagrada, o Imam foi para a cidade de Kufa, no atual Iraque e antiga Mesopotâmia, onde a ele fora oferecido proteção pela população local. Disse o Imam (AS): “Saio de Meca por minha livre e espontânea vontade, sem descontentamento ou revolta, mas simplesmente para preservar a harmonia da nação islâmica e a pureza da cidade sagrada de Meca”.

Com promessas de fortuna para aqueles que se opusessem ao Imam e com promessas de derramamento de sangue para aqueles que se recusassem a temer suas ameaças, Yazid seduzia o povo de Kufa. Muitos protestaram contra tal enganação e opressão, mas não viveram por muito tempo. Yazid agora tinha Kufa em suas mãos.
Em 680 d.C., Yazid organizou um exército de 50.000 homens para combater o líder do Islã, juntamente a sua família e 72 companheiros que o acompanhavam, os quais haviam estabelecido um acampamento na cidade de Karbala, onde resistiram ao cerco. Fosse qualquer circunstância, o Imam Hussein não estava disposto a prestar obediência à corrupção e à tirania, preferindo resistir até a morte. Disse o Imam do Islã: “Se a religião de Deus não se manterá, a não ser através de minha morte … ó espadas, me levem”.

A tortura da sede e da fome começa no sétimo dia e continua até o décimo, durante o qual Imam Hussein, seu filho, seu irmão e seus companheiros foram assassinados na batalha contra o colossal exército de Yazid. Imam Al Hussein e seus familiares e sinceros companheiros tinham se tornados exemplos de martírio para a toda humanidade. Mas o Sagrado Alcorão eloqüentemente nos ensina: “Não pensem naqueles que foram martirizados no caminho de Deus como mortos. Verdadeiramente, estão vivos, buscando sua sustentação na presença de Seu Senhor”.

Pela revolução corajosa o Imam Hussein, a autoridade de Yazid desvaneceu aos olhos do povo e hoje, milhões de pessoas ao redor do mundo relembram e lamentam o bravo sacrifício ocorrido nas terras de Karbala e muitos têm aprendido como alcançar a vitória sob a opressão. Hoje, o nome do Imam Hussein é mantido elevado como ele próprio e como aqueles que estiveram ao seu lado e sempre serão relembrados por seus sacrifícios. Vida longa à bandeira do Islã, a qual foi salva pelo nobre sangue dos mártires de Karbala.

Esse é Aba-Abdillah Al Hussein!
Defensor maior da mensagem islâmica.
Filho de Imam Ali e neto do profeta Mohammad.
Nosso líder e nosso Imam!
Exemplo maior da luta contra a injustiça e a corrupção.
Al Hussein é a escola universal no caminho da obediência a Deus Altíssimo.
Símbolo máximo de entrega e altruísmo.
É a luz da religião na Terra e o líder dos jovens mártires no Paraíso.
Al Hussein é sinônimo universal de justiça e piedade.
Al Hussein é sinônimo de Islã!

Disse o profeta Mohammad (SS):

“Hussein é de mim e eu sou de Hussein, Deus ama quem ama Al-Hussein e é inimigo de quem incita inimizade a Hussein”.

“Aqueles que querem ver tal pessoa que vive na Terra, mas sua dignidade é honrada por aqueles que estão no Paraíso, devem olhar para meu neto Al-Hussein”.

escrito por Adnan El Sayed

oum hassan

/


a nossa querida sonia sempre edita as nossas noticias com amor mas para alguem escrever algo sobre aba 3abdellah ele tem que acreditar e ter fe naquilo e isso o que nao falta nesse testo parabens...

GAMAL OUMAIRI

/


EM NOME DO ALTÍSSIMO FELICITAÇOES A TODOS OS XIIAS DO MUNDO . É DEVIDO A ACHURRA QUE O XIISMO EXISTE. PORTANTO PARTICIPE DE CORPO DE ALMA DOS DEZ DIAS EM QUE NAO SO O IMAM HUSSEIN(AS) DERAM A VIDA PEL

Fatima Kourani

/


Que a paz esteja contigo, Imam Hussein (A.S.), que sois o mestre dos mártires e o líder dos homens livres. اسلام على الحسين،وعلى علي ابن حسين، وعلى اولاد الحسين، وعلى اصحاب الحسين (ع

Mohamad abdull Aziz

/


Salam Aleikum Wa Rahmatulah Wa Barakatuh O SENHOR DOS MUNDOS, O ALTÍSSIMO, preserva e preservará para toda a eternidade, A PAZ NO OLHAR DO GENEROSO IMAN AL HUSSEIN, A SERENIDADE DE SUA FÉ, E A CORAGEM

Curta e Compartilhe


Horário das orações:


Foz do Iguaçu

Busca

Arquivos

Tag

Geral - notícias