SBI

31 de março, 2014

Conheça mais sobre Fatima Al Zahraa (a.s.)


Fátima Al Zahrá (AS) – conheça mais sobre. 11674.1336566171921

Nos honra apresentarmos um resumo da vida de Fátima filha de Mohammad (SAS), cognominada por “Azzahra” que significa “A Florescente”, a qual foi modelo e retrato de esposa e mãe bondosa, sendo o exemplo perfeito para o papel de alto prestígio que toda mulher deve seguir, em qualquer época e em qualquer lugar. Fátima Azzahra (AS) nasceu na honrada cidade de Meca no dia 20 do mês lunar de Jamád’l Tháni, cinco anos após a Missão Profética, correspondendo ao ano de 615 d.C. Seu pai era Mohammad ibn Abdellah (SAAS), o Mensageiro e Selo dos Profetas à humanidade, o qual foi escolhido por Deus Supremo para a difusão da religião, o Islam, em sinal de misericórdia para com a humanidade toda, fazendo com que recebesse os versículos do Alcorão Sagrado pela revelação através do Anjo Gabriel. Sua mãe foi Khadija bent Khuailed, conhecida por “Senhora de Coraich” e “A Mãe dos Crentes”, por ter sido considerada a mais nobre e generosa dentre sua gente, cuja cultura e inteligência admiráveis e tendo uma grande fortuna que ela destinou em favor do Islam. Khadija foi a mulher do Profeta Mohammad (SAAS), que se casara com ele antes do Islam, sendo-lhe esposa exemplar e mãe afetuosa e defensora da doutrina de Deus, vivendo com o Mensageiro aproximadamente entre vinte e cinco anos, sempre colaborando com ele na difusão da Mensagem Divina. O Mensageiro de Deus (S.A.A.S) não se casou com outra mulher durante toda a sua convivência com Khadija.

O Mensaheiro de Deus constumava dizer: “O Paraíso anseia por quatro mulheres: Mariam bent Imran (Mãe de Jesus), Assiya bent Mazáhem (Esposa do Faraó do Egito, que cuidou do Profeta Moisés), Khadija bent Khuailed e Fátima bent Mohammad”. As particularidades e a influência de Fátima Azzahrá se distinguiam, sendo ela a “Senhora de todas as Mulheres do Mundo”, e a filha abençoada que estendeu a descendência de seu pai, o Mensageiro de Deus, Mohammad (SAAS). Fátima Azzahra (AS) foi a mulher do “Senhor dos Recomendados”, o Imam Ali ibn abi Taleb (AS), e mãe dos Imames Hassan e Hussein (AS), ambos denominados por “Senhores dos Jovens do Paraíso”, sendo que os nove Imames infalíveis que os sucederam, vieram da descendência do Imam Hussein (AS).

O 6º Imam Jafar Assadeq (AS) disse: “Deus Poderoso e Majestoso denomina Fátima com mais oito cognomes que são: A Amiga (Assadiqa), A Abençoada (Al-Mubáraka), A Pura (Attáhera), A Impecável (Azzakiat), A Aprovada (Arradíya), A Satisfatória (Al-Murdiyat), A Confidente (Al-Muhaddethat) e A Florescente (Azzahra). E chamou-se por Fátima, porque “Futimat” em árabe significa “ficar sem” ou “isentar-se de”, porém, no caso de Fátima, entende-se de que ela foi isentada de qualquer defeito e abominação, e foi afastada do mal e do vício. E não fosse Ali ibn abi Taleb, seu marido, ela não teria o devido merecimento aqui na Terra”.

Por sua vez, o Profeta Mohammad (SAAS) disse: “… porém, a minha filha Fátima é a Senhora de todas as mulheres do mundo, desde a primeira até a última que vier, porque ela é parte de mim e é a luz dos meus olhos, o fruto do meu coração, a minh’alma que me acompanha e é a terna “Haurá”, que quando ela ora em seu nicho, deixa atrás de si uma luminosidade, irradiada pelos anjos dos céus, tal qual se iluminam as estrelas para os habitantes da Terra”.

O 5º Imam Mohammad Al-Báquer (AS) dise: “Quando perguntaram ao Mensageiro de Deus sobre o apelido “Azzahra”, dado à sua filha Fátima, ele respondeu: É porque Deus a fez nascer da luz de Sua Grandeza, e quando Fátima veio ao mundo, iluminaram- se os céus e a Terra…”.

Fátima no Sagrado Alcorão:

1. O versículo da Purificação (Attauhid): “… porque Deus só deseja afastar de vós a abominação e purificar- vos integralmente, oh Linhagem da Casa Profética (Ahlul Bayt)” (Surata Al-Ahzáb, Cap. 33, V. 33).

Este versículo foi revelado em prestígio de “Ahlul Bait”, os quais se incluem  Mohammad, Fátima, Ali, Hassan e Hussein (que a Paz esteja com todos). O Mensageiro (SAAS), certo dia, os reuniu na casa e exclamou: “Deus nosso! Estes são gente da minha casa (Ahli Bayti)! Afasta deles a imundície e purifique-os integralmente!”.

2. No versículo da Polêmica (Al-Mubáhalat) consta: “Se alguém contestar contigo nesta questão, depois de haver-te chegado em conhecimento, dize-lhes: Vinde e convoquemos os nossos filhos e os vossos filhos e nossas mulheres e vossas mulheres e nós mesmos e vós mesmos para depreciar a fim de que a maldição de Deus caia sobre os embusteiros” (Surata Ále Imrán, Cap. 3, V. 61).

Isto ocorreu quando o Mensageiro de Deus (SAAS) convocou os cristãos de Nidjrán para o Islam, porém, diante da recusa deles, ele os chamou para uma polêmica (Al-Mubáhalat), ou seja, a convocação do suplício para os embusteiros. Os de Nidjrán aceitaram a proposta e o Profeta (SAAS) foi ao local do encontro com a “Gente da Casa”, carregando no braço o pequenino Hussein e com a outra mão segurava o pequeno Hassan, enquanto Fátima seguia atrás deles e Ali atrás de sua mulher e de seu sogro. Ao se aproximarem do grupo cristão, o Mensageiro (SAAS) falou-lhes: “Se eu convoquei, digam apenas Amém”. Mas o Bispo de Nidjrán, líder dos cristãos, exclamou para a sua gente: “Oh cristãos, vejo rostos tão iluminados que, se Deus quisesse, moveria por eles uma montanha de seu lugar e, certamente que o faria!!! Não discuteis, pois perecereis e não permanecerá na face da Terra um só cristão sequer!…” E dirigindo-se ao Profeta (SAAS), prosseguiu: “…Nós achamos por bem não discutirmos, oh Mensageiro de Deus!”. Enfim, o Mensageiro de Deus (SAAS) chamou Fátima (AS) para acompanhá-lo nesta diligência, foi porque ele a considerava em alto prestígio e absolutamente prioritária às demais mulheres da nação.

3. No versículo dos Parentes (Al-Qoraba), o Alcorão Sagrada menciona: “… e dize-lhes: Não vos questionarei recompensa alguma senão a afeição dos que me são parentes próximos…” (Surata Achoura, Cap.42, V. 23). Então, perguntaram ao Mensageiro (SAAS) “quem seriam estes parentes próximos a ti, oh Mensageiro de Deus?” E ele lhes respondeu: “São Ali, Fátima e os filhos de ambos.”

4. No versículo da Promessa e da Alimentação (Annazre e Al-ittaám) o Alcorão Sagrado constata: “Eles cumprem a promessa e temem o Dia em que a Sua ira se alastrar, e alimentam por amor a Deus, o indigente, o órfão e o cativo dizendo-lhes: Nós vos alimentamos por causa de Deus. Não queremos de vós recompensa nem gratidão”. (Surata Al-Insán, Cap. 76, V. 7 a 9) Certa vez, o Imam Ali e sua esposa Fátima Azzahra (A.S) jejuaram por três dias, em razão de uma promessa feita a Deus Supremo, quando Lhe pediram que lhes curasse o filho bastante adoecido. E quando foram atendidos, cumpriram a promessa feita, porém, no primeiro dia do desjejum, eis que surge diante deles um pedinte faminto. Sem hesitar, eles lhe deram os únicos pedaços de pão de cevada que possuíam, ficando eles sem alimento nenhum. E assim ocorria sucessivamente em todo período de três dias de jejum. Por isso, Deus os privilegiou com o versículo que citamos, pela grandeza de suas almas e a generosidade e prática da caridade para com seus semelhantes.

Fátima Azzahra (AS) viveu com seu pai, o Profeta Mohammad (SAAS), em Meca, participando com ele das difíceis circunstâncias e as preocupações com a convocação a Deus. Ainda muito pequenina, ela perdeu sua querida mãe Khadija bent Khuailed, a qual era o braço direito do Mensageiro de Deus (SAAS), sendo sua grande colaboradora; desde então, apesar da pouca idade, Fátima (AS) cuidava com muito amor e dedicação de seu pai, tal qual uma mãe carinhosa que zela pelo seu filho. Isto, fez com que o Profeta (SAAS) a amasse profundamente, retribuindo-lhe e devotando-lhe todo o carinho e o afeto paternal que nenhum ser humano possa imaginar! O Profeta Mohammad (SAAS) a denominava por vezes “Fátima, a mãe de seu pai”. Ele a tratava com muito respeito e majestade, e quando chegava de fora, ele a beijava na testa e a fazia sentar-se ao seu lado, e se confidenciava com ela. Quando ele viajava, se despedia dela por último, e quando retornava, era a primeira a cumprimentá-lo.

Depois que Fátima (AS) se casou, o Profeta (SAAS) procedia com ela da mesma forma. E quando voltava de algum compromisso, ia diretamente à casa dela e a saudava, fazendo-o inclusive, declaradamente, a fim de fazer voltar os olhares da nação islâmica à importância e à grandeza de Fátima Azzahra (AS) e sua elevada posição diante de Deus Supremo. E, ao mesmo tempo em que Fátima (AS) correspondia ao amor filial e ao respeito para com seu pai, ela o acatava cegamente e jamais discutia suas ordens, obedecendo-o à risca, sendo que, muitas vezes ela abria mão de seus pertences particulares, apesar de precisar e necessitar deles, só para obedecê-lo, não só porque ele era o seu pai, mas por ser o Mensageiro de Deus.

Fátima Azzahra (AS) se casou com o primo de seu pai, Ali ibn abi Taleb (AS), por ordem de Deus Altíssimo, pois Ali foi o primeiro homem a abraçar o Islam, sendo o mais fervoroso em sua fé, e desde pequeno, sempre acompanhava o Profeta Mohammad (SAAS) onde ele fosse, pois foi com o Mensageiro de Deus (SAAS) que Ali (AS) adquiriu a melhor educação e instrução, principalmente os mais profundos conhecimentos islâmicos. O Mensageiro de Deus (SAAS) sempre dizia: “Eu sou a cidade do conhecimento e Ali é seu portal”. O Imam Ali ibn abi Taleb (AS) foi o maior defensor do Islam e o maior protetor de seu primo o Mensageiro Mohammad (SAAS), lutando ao seu lado com bravura e coragem. Por sua vez, o Profeta (SAAS) aludiu a ele em muitos relatos, tal como o Alcorão Sagrado o menciona em diversas passagens, por causa de seu prestígio, grandeza e posição. Fátima Azzahra (AS) viveu com seu marido o Imam Ali (AS) uma vida cheia de afeto, lealdade, renúncia e franqueza, jamais o contrariando em nada. Pelo contrário, amenizava suas dores e abrandava suas preocupações, sempre correndo em seu auxílio nas tarefas culturais e religiosas, incentivando-o em sua militância, fazendo com que Ali (AS) acabasse se referindo a ela: “Era só olhar para ela e meus problemas se dissipavam e minhas tristezas se dispersavam!”. Fátima (AS) suportou firme a responsabilidade grandiosa na criação e educação de seus filhos, servindo-os em consideração pela aprovação de Deus Supremo, agüentando as vicissitudes da vida, sem reclamar e sem exigir algo de seu marido que ultrapasse as possibilidades dele, e em contrapeso, Ali (AS) lhe era totalmente fiel e leal, enaltecendo a posição dela com seu respeito e dedicação, fazendo-a sua única esposa enquanto ela vivia, dizendo: “Por Deus, que eu jamais a irritei, nem a desgostei em nada, até que Deus a levou para junto d’Ele. Por seu lado, ela nunca me irritou nem me desacatou!”. Fátima Azzahra (AS) teve quatro filhos, sendo os dois primeiros do sexo masculino: Al-Hassan e Al-Hussein, e duas filhas: Zeinab, a mais velha e Omm Kolthúm, a caçula (AS).

Fátima Azzahra (AS) era extremamente devota, sempre voltada às recitações do Alcorão Sagrado, nas preces e súplicas a Deus Supremo, e constantemente O mencionava em todas as ocasiões. Seu filho, o Imam Hassan (AS), dizia: “Não existe alguém no mundo tão devoto quanto Fátima, minha mãe! Ela orava e se prostrava até se lhe incharem as pernas”. Por sua vez, o Mensageiro (SAAS), falava: “O coração e as feridas de minha filha Fátima se encheram de tanta fé, que ela dedicou-se inteiramente à obediência de Deus!”. O Imam Hassan (AS), relatou o seguinte: “Certa noite de uma sexta-feira, vi Fátima orando em seu nicho, genuflexando e se prostrando até o raiar do Sol, enquanto eu a ouvia pedindo a graça, intercedendo pelos crentes, mencionando o nome de cada um deles, sem pedir nada para si mesma. Quando terminou a sua oração, perguntei-lhe: Oh minha mãe, por que não pedes para ti mesma como pedes pelos outros, intercedendo por eles junto a Deus! E ela me respondeu: Primeiro o vizinho, depois o lar, meu filho…”.

O 6º Imam Jafar Assadeq (AS) falou: “A pronúncia da glorificação que Fátima fazia, após cada obrigação, me é maior recompensa do que uma oração de mil genuflexões diariamente”. Fátima (AS) pronunciava uma glorificação após cada oração obrigatória, a qual foi ensinada por seu pai. A glorificação era: repetir 34 vezes “Allahu Akbar”, 33 vezes “Al- Hamdu Lelláh” e 33 vezes “Sobhana-llah”.

Fátima Azzahra (AS) cresceu e se desenvolveu em tempos difíceis, já que seu pai, na qualidade de Profeta e Mensageiro de Deus se ocupava na formação de uma sociedade islâmica, constituída sobre os alicerces da justiça, dos direitos humanos e da convicção na Unicidade (de Deus), mas as forças inimigas e os gananciosos se opunham contra ele, enfrentando-o com suas armas e suas artimanhas enganosas, e com isso, o Mensageiro de Deus (SAAS) e seus Companheiros sofriam muito ao depararem com todo tipo de revezes, oposições, severidade e sofrimento, enquanto Fátima Azzahra (AS) dava a seu pai todo o apoio moral e a força psicológica, amenizando-lhe suas preocupações e suas dores com seu infinito amor e seu carinho maternal, tal como o fazia a seu marido, o Imam Ali ibn abi Taleb (AS), sempre pronta em seu auxílio, sendo-lhe o esteio na defesa da Religião de Deus e no triunfo dos direitos e da verdade, destacando-se mais o empenho e a diligência dela, depois da morte de seu amado pai, o Mensageiro de Deus (SAAS).

Sobre as dificuldades de sua vida após a morte do profeta (SAAS) e sobre seu martírio, leiam o seguinte texto: http://www.islamfoz.com.br/martirio-fatima-al-zahraa-s/

Que Deus Altíssimo nos mantenha em amor a ti, ó Fátima Azzahrá, a Florescente, a Luz dos olhos do Profeta, a Abençoada por Deus! 

Outros links relacionados: http://www.islamoriente.com/content/article/el-patrimonio-cient%C3%ADfico-e-intelectual-de-f%C3%A1tima-zahra-p

http://mezan.net/mawsouat/fatima/index.html
 
https://www.youtube.com/watch?v=Qy_gkwklUTY

Não há comentários aprovados neste post!

Curta e Compartilhe


Horário das orações:


Foz do Iguaçu

Busca

Arquivos

Tag