Notícias

07 de abril, 2016

Ex-delegado da PF, Protógenes Queiroz pede asilo político na Suíça


Responsável pela Operação Satiagraha, ele alegou que “corre risco” por conta do trabalho que investigou caso de corrupção
21arqjvxb62pybs5wleg4umd7
Protógenes Queiroz, ex-deputado federal e ex-delegado da PF, tenta asilo político na Europa

O ex-deputado e ex-delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz pede asilo político na Suíça, alegando que sua vida “corre risco” por conta de seu trabalho como delegado investigando a corrupção. Seu dossiê foi aceito nesta quarta-feira (6), pelas autoridades que passarão avaliar o processo.
Numa longa entrevista concedida ao jornal “Sept”, da Suíça, ele conta que se exilou já em outubro, ao viajar para o país para uma conferência em Genebra. “Eu me sinto em casa aqui”, disse.
Segundo o delegado, se ele voltar será “executado”. “Minha vida está em jogo”, disse. “Eu detenho muitos segredos”, insistiu. “A Justiça do meu País decidiu retirar a proteção que eu tinha quando era policial. Decidi buscar a segurança aqui na Suíça “, explicou.
Em outubro de 2015, o governo demitiu Protógenes da PF por transgressões disciplinares. Ele foi alvo de uma ação criminal na Justiça Federal em São Paulo e acabou condenado a dois anos e seis meses de prisão por quebra de sigilo funcional ao promover o vazamento de dados do inquérito da Operação Satiagraha, que terminou anulada.
Apresentando-se como alguém que lutou contra a corrupção desde 1999, ele é qualificado pelo jornal suíço como “uma espécie de Eliot Ness contemporâneo” e “incorruptível”. Protógenes admite que precisaria se apresentar à Justiça diante de uma condenação que sofreu por abuso de poder. Mas ele alerta que “tem medo”.
Eliot Ness foi um famoso agente federal americano que aniquilou Al Capone, o poderoso contrabandista de bebidas que desafiou a lei seca implantada a ferro e fogo na Chicago dos anos 1930. Ele virou herói no filme “Os Intocáveis”, no papel do ator Kevin Costner. O jornal francês “Le Monde”, já havia comparado o juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, ao agente.
Protógenes também afirma ter colaborado com a Operação Lava Jato. “Minha participação foi muito discreta”, explicou, contando que isso ocorreu por conta de suas atividades de investigação anteriores. O ex-deputado acusa o “entorno da presidente Dilma Rousseff ” ainda de tê-lo afastado da investigação, no início de 2015.
Para ele, a Lava Jato corre o risco “de terminar como as anteriores, com a demissão de policiais e talvez assassinatos”.
Na entrevista, ele garante que investigou Lula e Dilma e que sua enquete “já apontava para o Panamá”. Ele diz ainda ter escapado de quatro atentados e uma de suas filhas foi sequestrada.

Não há comentários aprovados neste post!

Curta e Compartilhe


Horário das orações:


Foz do Iguaçu

Busca

Arquivos

Tag