SBI

18 de abril, 2016

Nestor Cerveró fala à Justiça pela primeira vez na condição de delator


Audiência mira uma ação penal oriunda da 21ª fase da Lava Jato. Delator Fernando Baiano também deve ser interrogado por Sérgio Moro.aag20150511044
Nestor Cerveró permanece em silêncio durante sessão de depoimento na CPI da Petrobrás, realizada na Justiça Federal, em Curitiba (PR), nesta segunda-feira (10) (Foto: Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo)

Adriana Justi – Do G1 PR

O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que está preso no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, deve falar à Justiça Federal do Paraná pela primeira vez na condição de delator em uma audiência referente à uma ação penal da 21ª fase da operação – batizada de Passe Livre. A audiência está marcada para começar às 14h desta segunda-feira (18).
O lobista e delator Fernando Baiano, que cumpre prisão domiciliar, também será ouvido pelo juiz Sérgio Moro nesta segunda. Ele é réu na mesma ação penal.
O pecuarista José Carlos Bumlai, que cumpre prisão domiciliar, o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto, o acionista do Grupo Schahin Salim Schahin e outros cinco investigados também respondem pelo mesmo processo.
De acordo com a Polícia Federal (PF) e com o Ministério Público Federal (MPF), Cerveró, na condição de diretor Internacional da Petrobras, se beneficiou do esquema de fraude, corrupção e desvio de dinheiro, recebendo propinas milionárias em virtude de diferentes contratos da Petrobras e também na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.
A deleção premiada dele foi homologada após a divulgação de uma gravação feita numa reunião do senador Delcídio do Amaral com o chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira, o advogado Edson Ribeiro e o filho de Cerveró, Bernardo. Diogo Ferreira teve a prisão temporária convertida para preventiva.
As investigações da 21ª fase apontam que o pecuarista Bumlai utilizou contratos firmados na Petrobras para quitar empréstimos junto ao Banco Schahin. O dinheiro destes financiamentos era destinado ao Partido dos Trabalhadores (PT), de acordo com o procurador do Ministério Público Federal (MPF) Diogo Castor de Mattos.
O principal empréstimo em investigação nesta fase era de R$ 12 milhões e teve o valor elevado para R$ 21 milhões devido aos acréscimos. A dívida, de acordo com o Ministério Público Federal, foi perdoada, e a irregularidade foi mascarada com uma falsa quitação no valor inicial do empréstimo.

Não há comentários aprovados neste post!

Curta e Compartilhe


Horário das orações:


Foz do Iguaçu

Busca

Arquivos

Tag